Doenças Causadas por Anticorpos contra Células Fixas e Antígenos de Tecido

Posted on

Além destes sintomas mais comuns, alguns doentes podem queixar-se de dor e edema (“inchaço”) também nas articulações das mãos e punhos.

mediadas por anticorpos e por células T. Doenças mediadas por anticorpos são produzidas por anticorpos que se ligam a antígenos Os anticorpos que causam doenças específicas de células ou de tecido geralmente são por macrófagos e células T. Muitas doenças autoimunes específicas de órgãos são causadas pela interação de células as bactérias intestinais são a base de algumas formas de doença intestinal inflamatória A reação inflamatória clássica mediada por células T é chamada de hipersensibilidade mediada por TH1, outras células T podem contribuir para a inflamação. serem causadas principalmente pela inflamação mediada por células T. Este tratamento tem demonstrado eficácia em alguns pacientes com artrite reumatoide (AR), esclerose por anticorpos e células T e a aplicação de novas terapias para essas doenças para ilustrar alguns pacientes; isso pode contribuir para o controle inadequado da ativação de células

A artrite reumatoide, também chamada de Poliartrite crônica evolutiva, é uma doença sistémica crónica, mas que envolve principalmente as articulações.

  • Olhos secos diária e persistentemente por mais de três meses;
  • Sensação recorrente de areia nos olhos;
  • Uso de colírios ou lágrimas artificiais mais de três vezes ao dia.

A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória que envolve pequenas e grandes

esses epítopos pode falhar, resultando em respostas de anticorpos e de células T contra A percepção do papel central das células T e das citocinas na doença tem levado a doença experimental, acredita-se que a EM também seja causada por células TH1 e TH17 Vários mecanismos podem contribuir para destruição das células β, incluindo inflamação As hipersensibilidades podem resultar de anticorpos que se ligam a células ou tecidos As doenças autoimunes, tais como lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatoide, As doenças  de hipersensibilidade são classificadas baseadas no mecanismo imunológico principal que é responsável pela lesão tecidual e a doença. Ao se ligarem aos antígenos-alvos nas células e nos tecidos, os anticorpos, além da lgE, podem causar doenças. Outros exemplos de doenças relacionadas a hipersensibilidade do tipo ll são: doença hemofílica do recém -nascido, doença de Graves e Miastenia gravis.

Ao longo do tempo, a artrite reumatoide também pode envolver outros órgãos e sistemas, como pele, olhos, pulmões, coração , vasos sanguíneos e rins .

  • Artrites infecciosas
  • Osteomielite
  • Artrite Reativa
  • Febre Reumática
  • Doença de Lyme

Doença causada por complexos imunes  que se depositam nos tecidos ,são formados por anticorpos.

Por esta razão, as doenças causadas pela hipersensibilidade do tipo lll tendem a ser sistêmicas e, normalmente, manifestam-se como uma extensa vasculhe, artrite e nefrite. Doença causada por linfócito T, a maioria das doenças deste tipo aparenta ser causada por autoimunidade. As lesão tecidual também pode acompanhar as respostas usuais das células T aos micróbios. Este tipo de hipersensibilidade é sintoma de algumas doenças como endocardites, glumerulonefrites, artrite reumatóide, Lupus, etc. - A forma sistêmica – exemplo: doença do sôro: ∙ a doença sistêmica causada por complexos imunes pode seguir à administração de grandes quantidades de antígenos solúveis. Isto ocorre devido à deposição de complexos imunes nos tecidos, pela produção de anticorpos contra as diversas proteínas estranhas do sôro animal. · As reações inflamatórias desaparecem quando os complexos imunes são eliminados, porém podem ocorrer respostas imunes subseqüentes se novas doses de antígeno forem administradas. Hipersensibilidade tipo IV: ou tardia (HT), é manifestada mais seriamente quando o antígeno, por exemplo, o bacilo da tuberculose, aprisionado num macrófago, não pode ser eliminado. Aspectos Fisiopatológicos desta Patologia e os Protocolos Fisioterápicos Associados I. INTRODUÇÃO A Artrite Reumatóide (AR) é uma doença comum das articulações caracterizada por inflamações freqüentes de várias juntas.

Artrite séptica, Pseudogota, Periartrite calcificada por apatita, Artrite reumatóide, Artrite reativa, Artrite psoriásica e Enteroartropatia

  • Hipersensibilidade Imediata 15 a 30 min.
  • Ação rápida
  • Conseqüência dos anticorpos específicos( IgE)
  • As respostas dependem do tipo de antígeno, da via

SATO e CICLONELLI (2000) resumem que a artrite reumatóide é uma doença auto-imune de etiologia desconhecida caracterizada por poliartritecrônica, simétrica e erosiva, podendo haver envolvimento sistêmico.

Alternativamente, esses complexos imunes podem formar-se em locais onde o antígeno ou anticorpo foi inicialmente depositado, como por exemplo na membrana basal de glomérulos. Esses imunocomplexos podem causar doença apenas quando produzidos em quantidades excessivas, não sendo eliminados pelo sistema reticuloendotelial. O desenvolvimento das reações pode ser dividido em três etapas: 1- Formação do complexo antígeno-anticorpo O complexo se forma na circulação quando os antígenos ligam-se aos anticorpos. Trata-se de uma doença dinâmica, de longa duração que ocorre quando o Antígeno persiste (infecções crônicas e doenças auto-imunes) no organismo. Como a maioria das articulações são do tipo sinovial (permitindo maior mobilidade), essa doença pode atingir outras regiões do corpo, como as vértebras cervicais, causando danos neurológicos. Entretanto estudos mostraram uma relação entre algumas populações com alta frequência de alelos HLA-DRB1 (DRB1*0101, DRB1*0401 e outros) e alta incidência de artrite reumatoide. Essa pesquisa foi feita com 30 pacientes adultos com artrite reumatoide (classificados segundo os critérios de classificação do Colégio Norte-Americano de Reumatologia) e com 30 pacientes controle. Torna-se evidente, portanto,  que o reconhecimento do antígeno pelas células T exerce papel importante na patogenia da doença. Gostar A carregar… A artrite reumatoide (AR) pode ser definida como uma doença inflamatória sistêmica, crônica e progressiva, com acometimento preferencial da membrana sinovial.

Artrite canina: entenda a doença, sintomas, diagnóstico e tratamento. Saiba como a fisioterapia veterinária é importantíssima na recuperação da artrite canina

Os macrófagos, por sua vez, produzem citocinas implicadas no desenvolvimento da artrite reumatoide e na manutenção do processo inflamatório como interleucina (IL) 1 e fator de necrose tumoral (TNF).

A produção de anticorpos é também um elemento da patogênese da artrite reumatoide, havendo formação de complexos antígeno-anticorpo e ativação do sistema do complemento. A característica básica da manifestação articular da artrite reumatoide é a inflamação da sinóvia (sinovite), podendo acometer qualquer uma das articulações diartrodiais do corpo. São características da artrite na artrite reumatoide: acometimento poliarticular: geralmente mais de 4 articulações estão envolvidas. No entanto, a doença pode ser oligo ou até monoarticular; artrite em mãos: o acometimento de punhos, metacarpofalângicas (MCF) e interfalângicas proximais (IFP) é frequente, desde o início do quadro. Embora as manifestações articulares sejam as mais características, a artrite reumatoide pode ocasionar acometimento específico em outros órgãos e sistemas. As manifestações extra-articulares são mais frequentes em pacientes com doença grave e poliarticular, FR positivo e com nódulos reumatoides. Outras manifestações cutâneas: púrpura palpável (possivelmente por vasculite leucocitoclástica), úlceras isquêmicas e equimoses (por plaquetopenia pela doença ou associada ao uso de drogas para tratamento) são menos frequentes. Os quadros pulmonares podem ser decorrentes da própria artrite reumatoide ou da terapia utilizada (metotrexato, sais de ouro e penicilamina) que causam doença intersticial semelhante à artrite reumatoide. Glomerulopatias podem ocorrer em pacientes com amiloidose secundária à artrite reumatoide de longa duração ou por efeito de terapias (ouro, penicilamina).

Artrite Reumatóide, Espondilite Anquilosante, Artrite Psoriática, Artrite Idiopática Juvenil Poliarticular e Psoríase em Placas

Alterações da densidade mineral óssea (osteopenia e osteoporose) são frequentes em pacientes com artrite reumatoide.

Embora a doença de Still seja uma das formas clínicas da artrite idiopática juvenil (AIJ), ela pode eventualmente ser observada em adultos. Durante o período gestacional, observa-se geralmente uma melhora das manifestações clínicas da artrite reumatoide em até 75% das pacientes, embora 90% apresentem recaída nos primeiros 6 meses do puerpério. Diversos exames complementares podem ser utilizados para auxiliar no diagnóstico, diagnóstico diferencial, determinação de prognóstico e acompanhamento do tratamento na artrite reumatoide. Embora a hiper-homocisteinemia também seja prevalente, seu significado na artrite reumatoide ainda não está completamente esclarecido. Anticorpos antinucleares (ANA) – o mesmo que fator antinuclear (FAN) – estão presentes em até 50% dos pacientes com artrite reumatoide, não significando concomitância de outras doenças autoimunes. Até 30% dos pacientes com artrite reumatoide são soronegativos para FR, sendo que, na fase inicial da doença, essa cifra pode chegar a mais de 50%. Recentemente, diversos anticorpos contra antígenos do sistema filagrina-citrulina foram estudados na artrite reumatoide, sendo que os anticorpos contra peptídeos citrulinados cíclicos (anti-CCP) demonstraram maior aplicabilidade clínica. A radiografia óssea convencional é ainda o método mais utilizado, sendo que as alterações radiológicas fazem parte dos critérios diagnósticos da artrite reumatoide. A ressonância é, sem dúvida, entre os métodos de imagem atualmente disponíveis, o mais sensível para detectar as alterações próprias da artrite reumatoide.

A Artrite Reumatoide pode ser uma doença progressiva

Diversas condições podem cursar com poliartralgia ou poliartrite, fazendo diagnóstico diferencial com a artrite reumatoide, conforme mostra a Tabela 3.

Considerando-se os pacientes na fase inicial da doença, apenas 38% preenchem os critérios do ACR nos primeiros 12 meses de acompanhamento, e não mais do que 66% após 4 anos. Desde o diagnóstico da artrite reumatoide, o paciente e sua família devem ser informados sobre o caráter crônico da doença. Os antiinflamatórios são as drogas mais utilizadas no tratamento da artrite reumatoide. 1.Antimaláricos Os antimaláricos vêm sendo usados no tratamento da artrite reumatoide há mais de 50 anos, sendo seguros e eficazes, sobretudo para formas iniciais e leves. Doença intersticial crônica ou nódulos pulmonares, muitas vezes assintomáticos, são mais frequentemente observados, sendo muitas vezes de difícil diagnóstico diferencial com as alterações pulmonares decorrentes da própria artrite reumatoide. 3.Sulfassalazina A sulfassalazina é uma droga eficaz para o tratamento da artrite reumatoide, com perfil de toxicidade bastante aceitável, sendo utilizada no tratamento de formas leves a moderadas. 7.Minociclina A minociclina, único antibiótico cuidadosamente estudado para uso na artrite reumatoide, atualmente não é mais utilizada no tratamento. A base fisiológica do uso de imunossupressores para o tratamento da artrite reumatoide é a evidência de múltiplos mecanismos imunológicos mediando a sinovite e outras manifestações extra-articulares da doença. É usada no tratamento de formas moderadas a severas da artrite reumatoide, refratárias a outros tratamentos ou para controle de manifestações extra-articulares graves, como a vasculite.

Um dos mais notáveis avanços recentes em termos de terapia na artrite reumatoide foi o desenvolvimento dos agentes modificadores da resposta biológica (agentes biológicos).

Embora essas drogas pareçam ser hoje as medicações mais efetivas no controle da artrite reumatoide, ainda são necessários estudos de segurança a longo prazo. Figura 2: Mecanismo de ação dos agentes anti-TNF-alfa no tratamento da artrite reumatoide. O tratamento cirúrgico bem indicado contribui para a melhora da função, mobilidade, controle da dor e qualidade de vida do paciente com artrite reumatoide. Pacientes com doenças crônicas, como é o caso da artrite reumatoide, frequentemente buscam terapias alternativas, algumas vezes em detrimento do tratamento tradicional. A artrite reumatoide é uma doença com elevada morbimortalidade, e o retardo no diagnóstico e tratamento adequados pode levar a evolução para formas graves e incapacitantes. O pannus é um tecido granulomatoso que invade e destrói os tecidos cartilaginoso e ósseo, sendo o responsável pela destruição articular na artrite reumatoide. A artrite reumatoide permanece hoje como uma doença crônica, com potencial de dano ósseo e cartilaginoso irreversíveis, acarretando altos custos para o indivíduo acometido e para a sociedade. Assim, podemos esperar que, em um futuro próximo, com tratamento precoce, adequado e individualizado, a evolução esperada da artrite reumatoide seja a remissão. A artrite reumatoide é uma doença auto-imune que ocorre quando o sistema imunológico do corpo ataca seus próprios tecidos, particularmente as articulações. A deficiência de vitamina D e a artrite reumatoide são conhecidos fatores de risco para as doenças cardiovasculares. Os pesquisadores descobriram que 41% dos pacientes com artrite reumatoide estudados estavam significativamente deficiente em vitamina D, com outros 46 por cento tendo níveis insuficientes da vitamina. Níveis mais altos de inflamação sugerem que os baixos níveis de vitamina D podem realmente piorar os sintomas da artrite reumatoide. Ao diminuir a inflamação e protegendo o coração, a suplementação de vitamina D estende significativamente a expectativa de vida de pacientes com artrite reumatoide. As doenças caracterizadas por Hipersensibilidade são classificadas de acordo com o tipo de Resposta Imune e o mecanismo efetor responsável pela lesão tecidual 4 Hipersensibilidade Tipo IVOs linfócitos T causam lesão tecidual por desencadearem reações de hipersensibilidade do tipo tardio (DTH), ou por destruírem diretamente as células alvo. Mecanismos da lesão tecidual e da doença mediada por anticorpos – os IC causam doença basicamente produzindo inflamação 30